cisto pilonidal

Cirurgia de cisto pilonidal: como é o pós operatório

Apesar de ser incômodo e afetar a qualidade de vida do paciente, o cisto pilonidal não representa um risco grave à sua saúde. Para se ver livre do problema e dos sintomas que produz, a cirurgia de cisto pilonidal é a forma mais eficaz. O ponto que pode ser considerado mais complicado nesse procedimento é o seu pós-operatório. Quer saber por quê? Então, leia nosso artigo.

O que é o cisto pilonidal?

O cisto pilonidal é uma lesão formada por uma bolsa composta de pelos, fragmentos de pele, glândulas sebáceas e sudoríparas, além de ser revestida por células epiteliais. Quando ele inflama, pode produzir pus e se tornar um abscesso pilonidal. O cisto, geralmente, se forma na parte superior da prega que divide as nádegas, acima do ânus ou na região do cóccix. Porém, não é incomum que surja em outras áreas, como ao redor do umbigo, axilas ou couro cabeludo. Uma característica comum desse tipo de cisto é a presença de um cabelo no seu interior. Por esta razão, recebeu o nome de pilonidal, que significa “ninho de pelos”. Não existe uma comprovação para a causa desse cisto. Existe um entendimento de que ele ocorre quando os pelos soltos se atritam com a pele e conseguem atravessá-la, se alojando em seu interior. Outra hipótese aceita é de que esse cistos são formados em função de alterações nos hormônios e nas glândulas sebáceas que causam a inflamação do folículo piloso. Uma terceira possibilidade é a inflamação dos pelos encravados, que penetram nos folículos.

Como é a cirurgia de cisto pilonidal?

A cirurgia de cisto pilonidal é a única forma mais definitiva de tratamento do problema. O cirurgião fará uma pequena incisão na pele para drenar o conteúdo do cisto. Por ser um procedimento simples, pode ser feito em ambiente ambulatorial. A recuperação do paciente é rápida, podendo chegar a, no máximo, 5 semanas. O problema se torna mais complexo quando há uma recidiva do cisto. Quando ele retorna, a cirurgia é mais extensa e, na maioria dos casos, a solução é a remoção integral do cisto. Esse procedimento é mais complicado, mas é também o mais efetivo, reduzindo as chances de recorrência. A parte complexa da cirurgia é a chamada cicatrização por segunda intenção. Nesse método, o médico abre a pele, retira o cisto e deixa a ferida aberta para que cicatrize naturalmente. Para evitar uma infecção, o paciente precisa adotar alguns cuidados no pós-operatório.

Como é o pós-operatório?

O pós-operatório irá variar de acordo com o tamanho do cisto e o método utilizado pelo médico. Em algumas situações, pode ser preciso continuar drenando as secreções durante sete dias. Conheça a seguir algumas exigência do período pós-cirúrgico:
  • Evitar sentar para evitar atrito no local da cirurgia;
  • Não deitar de costas;
  • Higienizar a ferida com sabão, sem fazer movimentos de cima para baixo, evitando o atrito;
  • Depilar a região operada por até seis meses após a cirurgia. Essa ação evita a infecção que os pelos podem causar;
  • Após a evacuação, não utilizar o papel higiênico e tomar cuidado na hora da limpeza, pois as fezes não podem ter contato com o local operado;
  • Trocar as gazes periodicamente, pois é importante que a área operada respire;
  • Manter um acompanhamento contínuo com o coloproctologista.
Apesar de serem muitas, essas exigências permitem que o paciente tenha um pós-operatório tranquilo, sem sofrimentos. O paciente precisa ser muito disciplinado e comprometido com o tratamento. Contudo, vale a pena a adoção desses cuidados. Entendeu como é o pós-operatório da cirurgia de cisto pilonidal? Ele pode parecer mais complexo do que o procedimento em si, mas é a única forma de se ver livre do cisto e do desconforto que produz. Quer entender mais? Clique no banner.
Clínica de Cirurgia do Aparelho Digestivo e Coloproctologia em São PauloPowered by Rock Convert

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp